Resenha: A Jovem Alessia

Título: A Jovem Alessia
Autora: Louise Bennett
Editora: Forsaken
Páginas: 378


França, século XVIII. Alessia é uma jovem simples e inocente, que vive numa fazenda vinícola com o pai, um conde amargurado que não tem carinho pela filha. Convidada pela princesa Anna, Alessia vai passar uma temporada na corte do rei Henri, seu padrinho, e lá se apaixona pelo jovem capitão Marcus de Lanpré, principal oficial da guarda real e braço direito do rei. Sofrendo por um amor impossível, já que era nobre e Marcus, um plebeu, Alessia enfrentará muitos obstáculos. Há lutas de espadas, festas, bailes, guerras, intrigas e um final inesperado! A descoberta do amor e do sexo, a vida conjugal e o valor das amizades, em meio a conflitos pessoais e familiares, recheiam este romance. Embora os muitos diálogos utilizem as formas verbais da segunda pessoa para dar um toque de época, o livro é fácil de ler, apresentando uma narrativa rápida.
O livro foi escrito com inspiração em antigos e consagrados romances juvenis da literatura internacional, tais como: “O Conde de Monte Cristo”, “Mulherzinhas”, “Ivanhoé”, etc., mas traz seguramente a marca da modernidade. As situações retratadas no livro não descrevem nenhum trecho da verdadeira história da França ou das famílias reais que lá viveram. No entanto, os detalhes históricos, principalmente sobre sucessão monárquica, sobre história dos costumes e outros de maior relevância, foram minuciosamente pesquisados com o intuito de dar veracidade à história.




Esse livro foi um novo desafio pra mim, nunca tinha lido um livro de época e comecei por esse livro. Conheci a autora na Bienal e fiquei empolgada em embarcar nesse novo desafio literário.

O livro nos leva até o século XVIII e lá encontramos:

Alessia - uma menina de 16 anos.Ela é isolada do mundo e tem um pai conde amargurado que a despreza desde a morte de sua mãe, essa que morreu após o nascimento da filha e que teve uma criação pelas criadas da casa. Mesmo com toda essa criação ela conviveu ainda vários anos com a família do REI e foi somente após a morte de sua esposa que eles se afastaram, mas isso seria mudado, já que a Anna a filha mimada do REI não aguentava mais ficar longe de sua melhor amiga e iria fazer de tudo pra ficar perto dela.

"Alessia sorriu. Quase sempre séria, não havia quem não se encantasse com um sorriso seu. Todos os mortais com certeza reunir-se-iam e marchariam em defesa de uma Alessia sempre sorridente, tal a beleza da moça nessas raras ocasiões."
Marcus é o Capitão da Realeza, após a morte de seus pais o Rei logo o acolheu e o tem como um filho dentro do castelo. Um homem bonito, inteligente, e que deixava várias mulheres babando e  que as “donzelas” mais desinibidas faziam de tudo pra chamar sua atenção,  e além de todo esses atributos ele era um médico e que como já tinha a função de segurança do rei, usava essa profissão pra ajudar os enfermos pobres e sem cobrar nada por isso.

"...Marcus estava enfeitiçado. Nunca tinha se apaixonado por ninguém. Muitas moças já tinham tentado tudo para roubar-lhe o coração, mas todas ficavam frustadas depois de um certo tempo, pois o rapaz não se interessava verdadeiramente por nenhuma. Ah, sim, agora ele se interessava. Justamente por uma nobre, filha de um conde!"

O amor entre eles é praticamente imediato, após ver a Jovem Alessia pelo mercado Marcus logo se encanta por ela. Após algumas semanas desse encontro inesperado, onde ambos vivem pensando um no outro, mesmo sem nem ter conversado. Alessia recebe o convite de sua grande amiga Anna filha do Rei e também padrinho de Alessia para participar de um baile para comemorar seu aniversário. A vida a partir desse momento, tanto de Alessia como de Marcus começa a mudar.

Ambos são novos ainda, e Marcus com um pouco mais de experiência que Alessia, porém um romântico incurável. Eles se vêem em várias batalhas do destino pra tentar muitas vezes separá-los ou destruí-los. Achei os protagonistas perfeitos demais, um amor perfeito, um casal perfeito, ambos muito perfeito e acredito que por isso me identifiquei mais com alguns personagens secundários.

" ...Dizem que amores vêm e vão. Mas não o verdadeiro amor, não o amor que Alessia e eu sentimos um pelo outro, isso vos posso assegurar."

O livro foi dividido em duas partes e na primeira parte teve tanto romance que eu estava a beira de verificar minha glicemia pra ver se toda essa doçura não tava me deixando louca kkkk. Alguns momentos achei que os dramas poderiam ser melhores explorados, quando chegava aquele momento dramático  eu pensava: "Opa! Agora chegou a sofrência" logo esse drama era contornado, e tudo virava amor novamente.

Na parte 2 teve um drama um pouco diferente e não foi realmente o que eu tava afoita esperando, e por mais que eu entenda Marcus eu quis entrar no livro e dar um sacolejo nele pra ele parar de mimimi. Talvez eu tenha uma mente distorcida, senti falta de algo um pouco mais grave pra me prender.



Os personagens secundários foram de total importância nessa história, principalmente o REI, a princesa mimada Anna e o melhor amigo de Marcus, o segurança real Louis. Eles tiveram impacto tanto nos momentos felizes como nos tristes do livro. Mesmo ainda achando a Anna uma menina mimada em alguns momentos foi a que eu mais gostei,  principalmente por ter uma cabeça tão diferente pra época. O Rei e Louis eles poderiam te fazer rir nas horas certas, mas também seria o amigo que qualquer um iria querer ter do lado.
Não posso falar muitos dos personagens secundários, já que além desses três teve muitos outros, mas esses foi o que eu me identifiquei mais e não quero também dar nenhum spoiler desnecessário.


"- E quanto ao amor, Anna? - Ah, o amor! O amor é para os tolos. O amor só nos encarcera, só nos faz cometer insanidades. Devemos amar com a cabeça, Alessia, não com o coração. Não confies em teu coração, confia em teu cérebro. O coração não arruma maridos, arruma somente amantes."
"- E quanto ao amor, Anna?

- Ah, o amor! O amor é para os tolos. O amor só nos encarcera, só nos faz cometer insanidades. Devemos amar com a cabeça, Alessia, não com o coração. Não confies em teu coração, confia em teu cérebro. O coração não arruma maridos, arruma somente amantes."
O que me impressionou no livro foi à leveza da escrita, que mesmo com algumas palavras da época eu consegui entender sem precisar colocar o dicionário ao lado do livro. E além de que realmente a autora conseguiu mostrar o amor de Alessia e Marcus, um amor tão puro e ao mesmo tempo forte, capaz de superar diversas barreiras impostas no caminho. Mesmo eu sentido falta de umas coisinhas não posso negar que eles tiveram um amor devastador.




A capa não foi o que me chamou mais atenção, diferente da formatação do livro que ta linda e que realmente me encantou nos detalhes.
O final do livro deixou com um gostinho de "quero mais", e algo me diz que teremos mais por ai. 

Foi uma nova aventura, não é um gênero que vou colocar no topo da lista de minha leituras, mas é algo que eu poderia me arriscar mais vezes.
 Esse livro pra quem curte um romance de época bem água com açúcar é a leitura certa.








11 comentários:

  1. Ai Raquel!
    Pois eu já me derreto quando vejo um romance bem doce.
    Tenho certeza que vou gostar.
    Amo romance puro, inocente e sem muito drama, só curtição e melaço...kkk
    “A sabedoria só nos chega quando não precisamos mais dela.” (Che Guevara)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Embora eu goste bastante de romance de época, esse não me chamou a atenção e acho que em parte por conta desse amor perfeito de mais. Não sei ao certo, mas o enredo não conseguiu fazer com que eu sentisse vontade de dar uma chance ao livro. E como já estou com muita leitura atrasada e até melhor não ter gostado dessa, para não ter que aumentar a lista! Beijos

    ResponderExcluir
  3. Me pareceu divertido amo romance de epoca ( ate porque to escrevendo um) mais provavelmente esse ira me prender , não há muito livros assim pelos menos não encontro tantos.

    ResponderExcluir
  4. Oi Raquel,
    Sou fã de romance histórico, sem dúvida é meu gênero literário favorito. Amo essas histórias que me permitem embarcar em outra época, sempre imagino as donzelas em seus vestidos longos e rodados, os bailes cheios de glamour, os duelos de honra, os costumes dos séculos passados...amo tudo isso! Minha mãe sempre diz que tenho a alma antiga, pois vivo falando que nasci na época errada haha
    Então é claro que vou querer ler A Jovem Alessia, amo esses romances proibidos entre pessoas de diferentes classes sociais.
    Que maravilha conhecer mais uma autora brasileira apostando nesse gênero, vou querer ler esse livro assim que for possível.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. 3 estrelas só? ai, que peninha, a capa está educadamente romântica e delicada. E olhe que não gosto de romance meloso, às vezes leio algum para matar saudades dos velhos tempos, mas hoje não faz parte da minha leitura diária. Mas esse eu leria sim, as vezes estou sendo muito exigente com alguns livros!

    ResponderExcluir
  6. Só de ver essa capa já fiquei aqui babando, sou apaixonada por esses romances e adorei saber mais sobre ele.
    Só fiquei um pouquinho decepcionada pela idade dela. Geralmente, os romances tratam das solteironas kkkk aquelas de 23 anos que ainda não casaram, confesso que prefiro desse tipo.
    Mas no fim, gostei e adoraria conhecer.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Amo quando personagens secundários tem uma importância maior, isso dá uma realidade a mais para a história. Gostei do enredo e acredito que ia gostar bastante, seria um ótimo livro pra um dia de chuva.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. Oie, tudo bom?
    Gostei da resenha, não é o melhor livro do gênero, mas parece ser gostoso, leve, e de vez enquando um romance água com açúcar é bom rsrsr gosto de romances e época e tentarei dar uma chance a esse.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  9. Eu adoro romances de época, e já quis ler só por isso rsrsrs sua resenha não me deixou muito mais curiosa, com os pontos negativos, mas vou colocar o livro na lista de desejados, quero ler.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  10. Eu gostei, bem romantico e clichê, leria com certeza haha

    Boutique de Clichês

    ResponderExcluir
  11. Aí que fofura, adoro romances de época, sempre que posso leio algum. Não conhecia esse e a capa parece até coisa de novela mexicana, mas enfim, achei sua resenha bem completa e fiquei curiosa pra ler, mesmo com toda a açúcar jogada no casal apaixonado não tem quem resista não é mesmo kkkk quero ler sim.

    ResponderExcluir